Epidemia de Ébola em alguns países de África Ocidental

Nota Informativa sobre as Medidas tomadas por Cabo Verde

 

Uma epidemia de Ébola está a ocorrer em alguns países da região ocidental de África (Guiné Conacri, Libéria e Serra Leoa). Esta epidemia apresenta características epidemiológicas diferentes das anteriores, uma vez que já atingiu zonas urbanas importantes, contrariamente ao que, habitualmente, vinha acontecendo (fundamentalmente em zonas rurais), aumentando, assim, o risco de uma epidemia em grande escala.

O vírus Ébola é frequentemente fatal e já afectou a data de hoje cerca de 1711 pessoas, tendo causado 932 óbitos, nos países afectados.

Cabo Verde não registou nenhum caso de Ébola. Tem ligações frequentes com países da África Ocidental pela via aérea no Aeroporto da Praia e também, pela via marítima, através de embarcações de pesca e outras que chegam ao porto do Mindelo, que fazem escala nos países afectados. Naturalmente que nada obstará a que uma pessoa infectada chegue ao país proveniente da Europa. Assim, como para quase todo o mundo! (veja-se o caso da Arabia Saudita) o perigo de introdução do vírus é real, apesar de o risco para Cabo Verde ser moderado.

Risco alto tem os países que têm fronteiras terrestres com os países afectados e que por essa razão tornam o controlo estrito em fronteiras formais mais dificil. Este não é o caso de Cabo Verde! O virus só podera chegar através de alguém que entre por avião ou por barco! Mesmo por barco, digamos clandestino, o sistema de segurança marítima da COSMAR (Centro de operaçoes de Segurança maritima de nivel e capacidade só existente em África, na África do Sul e em Marrocos) deteta QUALQUER embarcação que chega a qualquer enseada ou baía do país.

Neste contexto de risco moderado, desde o mês de Março com a declaração da epidemia (Guiné Conakry, Libéria e Serra Leoa) e agora com o seu recrudescimento, o Ministério da Saúde, sempre assistido tecnicamente pela OMS e pela OAAS, vem

adoptando todas as medidas preventivas recomendadas pela OMS. Com efeito a supervisão e o controlo já implementados garantem a estrita aplicação do

Regulamento Sanitário Internacional nomeadamente no que diz respeito ao controlo nas fronteiras (portos e aeroportos).

Entre outras, foram já implementadas as seguintes acções e medidas:

- Participação da Ministra de Saúde na reunião que em Abril reuniu na Libéria, todos os Ministros da Saúde da Região para informação sobre a doença que, pela primeira vez, atinge a África Ocidental e articulação regional da resposta na primeira fase da epidemia;

- Realizadas duas reuniões envolvendo todos os Ministros (MS; MAI; MIEM; MDR) das áreas implicadas, para orientações e socialização das medidas do Regulamento Sanitário Internacional; com o recrudescimento da epidemia, envolveu-se, na segunda fase, o Ministério do Turismo e a Presidência do Conselho de Ministros;

- Abordada a questão em Conselho de Ministros que orientou nessa matéria;

- Visitas da Ministra da Saúde ao Aeroporto da Praia e ao Porto do Mindelo e do Primeiro Ministro a este Porto para se inteirarem da operacionalidade das medidas tomadas, seguidas de reuniões com todas as autoridades e entidades envolvidas;

- Informes à comunicação social e declaraçoes do Delegado de Saude da Praia, do Diretor Nacional de Saude, Ministra da Saude e do Primeiro Ministro sobre a situação e as medidas tomadas;

- Reuniao da Ministra da Saude com o corpo diplomático para informar das medidas tomadas e solicitar disponibilidade para apoiar no que for necessario;

- Comunicação através de flyers nos aeroportos e na rádio e na TV públicas;

- Atendimento específico aos viajantes nas Delegacias de Saúde;

-Accionada a EQUIPA TÉCNICA DE INTERVENÇÃO RÁPIDA do Ministério da

Saúde;

            -Accionada uma equipa multissectorial que integra os sectores da saúde,

          

            dos transportes (aeroportuários, portuários) e Protecção Civil e outros;

-Disponibilisado um PLANO NACIONAL DE CONTINGÊNCIA, destinado às autoridades envolvidas, contendo normas e orientações concretas para as diferentes fases de enfrentamento de uma eventual epidemia, incluindo medidas de ISOLAMENTO e despiste de eventuais casos suspeitos;

-Foi garantido um stock de materiais e equipamentos de protecção e foram tomadas as medidas necessárias para o seu eventual reforço imediato.

-Estão em curso ações de treinamento e simulação sobre as diferentes situações para a gestão de eventuais casos suspeitos a nível das fronteiras e estruturas de saúde;

- As companhias aéreas e maritimas bem como a ASA e a Enapor receberam instruções para notificar qualquer eventual caso com sintomas para imediato isolamento e/ou quarentena à chegada a Cabo Verde;

-As equipas de vigilância estão a seguir rigorosamente as instruções internacionais exigidas com a triagem pela policia de fronteiras e pelos agentes de saúde de todos os passageiros que tenham estado nos últimos 21 dias num dos países afectados pela epidemia para ações apropriadas.

            -Está em curso um plano de comunicação, faseado, que incluiu já entrevistas

             com médicos especialistas, programas TV, spots televisivos e radiofónicos,

             informando a população em geral sobre a doença, como se transmite e como

           se previne, plano esse em vias de intensificação, englobando acções de

           informação, educação e comunicação a nível comunitário.

 

Praia, 07/08/2014

Ministério da Saúde e da Segurança Social

 
Palácio do Governo - C.P nº 47
Cidade da Praia
Ilha de Santiago - Cabo Verde
 
Direitos de autor © 2021 Ministerio da Saúde e da Segurança Social. Todos os direitos reservados.